Fale conosco pelo WhatsApp

Dermatite Seborreica no Couro Cabeludo

Mulher coçando o couro cabeludo

Patologia dermatológica compromete a saúde dos fios e pode gerar irritabilidade e coceira

A dermatite seborreica no couro cabeludo é uma inflamação muito comum e que compromete a saúde dos fios dos pacientes. Esta patologia é também popularmente conhecida como caspa, mas também pode ser nomeada como psoríase seborreica ou eczema seborreico.

A dermatite seborreica no couro cabeludo também pode atingir outras regiões oleosas do corpo, como os lados do nariz, as orelhas, a barba, as pálpebras, as sobrancelhas e os peitos. Seus sinais costumam trazer vermelhidão, manchas, coceira, irritabilidade e descamação da pele. Entenda tudo sobre a doença abaixo!

Quando procurar ajuda médica?

Embora não seja considerada uma doença contagiosa, a dermatite seborreica no couro cabeludo é uma condição crônica em adultos e costuma apresentar períodos de melhora e de crise.

Em bebês, é comum que ela apareça nos primeiros anos de vida e desapareça naturalmente dentro de um ano.

Quando pacientes apresentam sintomas persistentes da doença, comprometendo sua qualidade de vida, é necessário buscar ajuda médica, já que alguns casos podem necessitar de tratamentos específicos, à base de shampoos ou antifúngicos.

Sintomas da dermatite seborreica no couro cabeludo

Não é difícil perceber os sintomas da doença, seja ela manifestada em bebês ou em adultos. Dentre os principais sinais da dermatite seborreica no couro cabeludo, podemos destacar:

  • Caspa no couro cabeludo, barba, bigode ou sobrancelhas — com formação de traços finos de pele morta, que podem ou não ser visíveis a olho nu;
  • Manchas ou placas com crostas amarelas ou esbranquiçadas no couro cabeludo, no rosto, nos lados do nariz, nas pálpebras ou no peito;
  • Vermelhidão e inchaço na pele da região atingida;
  • Coceira insistente nas regiões afetadas.

É possível ainda que estes sintomas se agravem diante da exposição a ambientes frios e secos ou ainda quando o paciente se submete a situações de estresse. Em quadros mais graves, as manchas podem ficar mais engrossadas, adquirindo aparência amarelada e gordurosa, o que aumenta substancialmente o risco de infecções locais.

Como é feito o diagnóstico?

É possível que a dermatologista identifique a dermatite seborreica no couro cabeludo a partir dos sintomas apresentados, da história clínica do paciente e a frequência com que os sinais surgem — e se eles se agravam em picos de estresse ou ansiedade, por exemplo.

Também é possível que a médica solicite um exame de raspagem da pele. Esse teste consiste na retirada de algumas células da pele para analisá-las em microscópio, para poder descartar a possibilidade de outras patologias dermatológicas com sintomas parecidos, como psoríase, eczema ou rosácea.

Possíveis tratamentos

Uma vez confirmado o diagnóstico da dermatite seborreica no couro cabeludo, cabe à médica avaliar se é necessária uma intervenção ou se o quadro pode desaparecer sozinho.

Alguns medicamentos podem ser receitados pela especialista para controlar a inflamação da pele, como os corticoides e antifúngicos na forma de shampoos, pomadas e cremes, que podem ser aplicados diretamente na área inflamada. É importante lembrar que esses produtos só podem ser consumidos de acordo com a orientação médica.

A profissional também pode indicar imunossupressores, como cremes e loções, que também podem ser aplicados na região afetada, ou antifúngicos, também nos formatos de shampoo, gel, creme ou pomada.

É importante salientar que, se as aplicações dos produtos no couro cabeludo não forem eficazes para o controle da doença, pode ser necessária a ingestão de comprimidos antifúngicos, de acordo com a avaliação médica.

O tratamento contra a dermatite seborreica no couro cabeludo é mais eficiente quando o paciente mantém o cabelo limpo e seco e retira bem o shampoo e o condicionador após o banho. Também deve-se evitar o banho com água muito quente, as situações de estresse e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas e alimentos com alto teor de gordura.

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) — Regional São Paulo.

Ao clicar em enviar os dados, você concorda com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE